Notícias Empresariais

Tweet

ECONOMIA - FGV: CONFIANÇA DO CONSUMIDOR SOBE 2,1 PONTOS EM JULHO ANTE JUNHO, PARA 84,2 PONTOS

A confiança do consumidor subiu 2,1 pontos em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, informou há pouco a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Í;ndice de Confiança do Consumidor (ICC) passou de 82,1 pontos em junho para 84,2 pontos em julho. O indicador, porém, vinha de três meses consecutivos de retração. Em junho, o recuo tinha sido de 4,8 pontos ante maio.



"Normalmente, após a ocorrência de choques como o de maio, a confiança dos agentes é afetada negativamente num primeiro momento e se recupera em seguida. Embora seja uma boa notícia, a recuperação apenas parcial de julho sugere que o ritmo lento da economia e do mercado de trabalho continua pesando bastante nas avaliações do consumidor", avaliou Viviane Seda Bittencourt, coordenadora da Sondagem do Consumidor, em nota oficial.



Em julho, o Í;ndice de Situação Atual (ISA) aumentou 2,3 pontos, para 74,1 pontos. Já o Í;ndice de Expectativas (IE) cresceu 1,9 ponto em relação ao mês anterior, para 91,9 pontos, após três meses de



quedas.



O item que mede o grau de satisfação com a situação econômica no momento atual teve elevação de 0,7 ponto em julho, para 78,1 pontos. O item sobre a situação financeira atual avançou 3,9 pontos, para 70,7 pontos, recuperando parte das perdas sofridas em junho.



Com relação às perspectivas para os próximos meses, o otimismo em relação à economia nos seis meses seguintes diminuiu 0,3 ponto, para 102,3 pontos. O indicador da situação financeira futura das famílias melhorou 1,1 ponto, para 92,2 pontos.



A intenção de compras de bens duráveis avançou 4,5 pontos na passagem de junho para julho, para 82,1 pontos, o quesito que mais contribuiu para a alta do ICC no mês. "A melhora, no entanto, ainda é tímida na comparação com a perda acumulada de 12,4 pontos nos três meses anteriores", alertou a FGV, na nota.



Houve ligeira recuperação da confiança em todas as classes de renda pesquisadas, exceto para os consumidores com renda familiar mais elevada, que recebem mais de R$ 9.600,00 mensais. Nesse grupo familiar, o índice teve queda pelo quarto mês consecutivo, acumulando uma perda de 11,3 pontos no período.



A Sondagem do Consumidor coletou informações de 1.854 domicílios em sete capitais, com entrevistas entre os dias 2 e 19 de julho. (Daniela Amorim - daniela.amorim@estadao.com)


[ voltar a listagem de notícias ]